Volkswagen Magazine

Os jovens de Veracruz pretendem plantar 100.000 árvores na Sierra Madre.

Yahir se levantou da cama no meio da noite e tomou café. Pouco depois, o estudante de 15 anos está sentado em um pequeno ônibus que sobe pelas montanhas. Ele vai até o vilarejo de Atlizacuapa, no coração da Sierra Madre, onde está a sua escola. O ar úmido deixa pequenas gotas na grama e, enquanto o Sol se levanta e brilha forte sobre a floresta, sente-se o cheiro de terra molhada. Os olhos negros de Yahir piscam cheios de expectativa. Ele é um dos melhores alunos, e sua matéria preferida é biologia – o que o motivou a ser voluntário do projeto Eco Chavos (na tradução para o português, “juventude ecológica”). Yahir é um dos 800 jovens voluntários que apoiam a proteção ambiental desse corredor de biodiversidade.

Como parte do projeto Eco Chavos, as crianças visitam uma estufa brilhante e arejada, conhecida como o Jardim Berçário. Um arranjo de plantas verdes delicadas prospera sob o teto alto: são os brotos de bambu que estão sendo cultivados para ser plantados na região. Yahir sorri orgulhoso quando a bióloga Alejandra Tiscareño lhe entrega uma dessas plantas. A muda do bambu ainda está embalada em um pequeno balde de plástico. Hoje ela será replantada em um ponto da floresta onde o desmatamento deixou a sua marca, onde o solo tornou-se seco e infértil e onde os animais estão desaparecendo aos poucos.

As mudas de bambu são plantadas em uma área onde a floresta tropical já está escassa.

“O objetivo principal do projeto Eco Chavos é ensinar as crianças a respeitar e preservar os recursos naturais locais”, diz a bióloga, que tenta trabalhar especificamente com as cidades e comunidades do entorno. Na região leste da Sierra Madre há uma ampla gama de atividades, das quais centenas de jovens participam como embaixadores do meio ambiente. Além de plantar bambu, também há criação de jardins verticais, e a intenção é fazer os alunos se interessarem por técnicas de gerenciamento de lixo, assim como por produção de estrume orgânico. O programa busca identificar problemas ecológicos e trabalhar com professores, cidades e comunidades para encontrar soluções.

É também graças à Volkswagen que medidas de proteção do meio ambiente estão sendo implementadas no local. A unidade do México está bem perto: sua planta fica em Puebla e, a poucos quilômetros dela, há uma cabana de montanha feita de bambu, construída a 4 mil metros de altitude no meio da natureza, além do romântico Parque Nacional Izta-Popo. Aproximadamente 490 mil pinheiros já foram plantados em áreas mais estéreis. “É importante que os alunos vivenciem uma experiência pessoal com essas atividades”, diz Tiscareño. Ter florestas sadias é extremamente importante em Sierra Madre.

As árvores coletam a chuva rara, porém pesada, e ajudam a água a infiltrar-se nas camadas mais profundas do solo. Como uma medida complementar para combater a erosão, 480 barragens de retenção feitas de terra e água foram escavadas. Por causa do alto risco de incêndios na floresta durante seis meses do ano, também foram construídos muitos quilômetros de trilhas para combate ao fogo.

 

A iniciativa da Volkswagen “Think Blue. Nature.” colabora com a autoridade nacional de conservação da natureza Conap, a Universidade do México e a Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (Agência Alemã de Cooperação Internacional).

O motivo para o envolvimento nessa região é a preocupação com o nível de água dos lençóis subterrâneos, que tem diminuído cada vez mais na estação seca. Nesse contexto, a situação da água ao redor da planta da Volkswagen em Puebla tem sido examinada detalhadamente nos últimos meses. A cidade tem 2,5 milhões de habitantes e suas reservas dependem muito de que a chuva nas montanhas estabilize os níveis de água no solo, que vêm caindo.

230 ESPÉCIES DE ANIMAIS

Há vários anos, a bióloga Tiscareño trabalha em projetos de conservação na região. Como parte do programa de educação ambiental Eco Chavos, ela sempre convida jovens para passeios pela Sierra Madre. Para ela, é importante que os alunos identifiquem, por si mesmos, os problemas da região e desenvolvam soluções para combatê-los. “Fico muito emocionada quando vejo o entusiasmo demonstrado por eles”, conta. Um dos temas que ajuda a bióloga a estimular a imaginação das crianças é a proteção de espécies ameaçadas. Acompanhada de grupos de alunos, ela vai com frequência à cabana da montanha, construída pela Volkswagen de acordo com métodos sustentáveis. A energia vem de painéis solares no teto e todos os materiais de construção são biodegradáveis.

»Nossa vida depende da natureza e dos recursos naturais.«

Alejandra Tiscariño 

»Ficamos emocionadas quando vemos o entusiasmo que os alunos demonstram.«

Alejandra Tiscareño e Selene Velarde García, Eco Chavos

Jovens protetores do meio ambiente

CESMO significa “Corredor ecológico da Sierra Madre Oriental”. Nessa região, muitas medidas de proteção ambiental são apoiadas pela Volkswagen. A reserva ambiental de 4 milhões de hectares possui 650 espécies ameaçadas, que precisam ser protegidas.

"Think Blue. Nature." é um dos muitos projetos nos quais a Volkswagen assume a responsabilidade social e ambiental pelo desenvolvimento sustentável ao redor do mundo. No México, os jovens participam do projeto Eco Chavos para reflorestamento e limpeza dos rios.

Lições na floresta: os alunos aprendem sobre a fauna e a flora locais.

»Os recursos perdidos levam anos para serem recuperados.«

 Alejandra Tiscariño

É nesse lugar, entre os impressionantes picos dos vulcões Iztaccíhuatl e Popocatépetl, a mais de 5 mil metros de altitude, que Tiscareño convida as crianças a observar a tranquilidade e a sentir o vento e o cheiro das pinhas. Ela, então, fala sobre as 230 espécies que vivem no local – incluindo os linces, cascavéis, veados-do-rabo-branco e corujas. O parque é especialmente associado ao coelho do vulcão (Romerolagus diazi), conhecido na região como “teporingo”. Muitos dos arbustos e das ervas que crescem no entorno são vistos como plantas medicinais, a exemplo das diferentes variedades de sálvia. “É maravilhoso observar como as crianças ficam ansiosas para se envolver. Eu acredito que nosso projeto dará a elas uma consciência duradoura sobre a proteção ambiental”, afirma Tiscareño. Ela acha especialmente emocionante a descoberta de jovens alunos como Yahir, que após plantar uma árvore de bambu, disse: “Se eu pudesse mudar algo no mundo, garantiria que as pessoas tivessem mais consciência sobre o meio ambiente”.