Volkswagen Magazine

Dia 1

Começo em Kristina Pouco depois das três da manhã, o prefeito de Cabo Norte, Hansen, pressiona o botão de partida do Touareg. O local de início é uma Noruega coberta de neve, de onde vamos seguir dirigindo pela Escandinávia. Os pneus revelam uma aderência surpreendentemente boa nas estradas geladas. Na mesma noite chegamos à balsa que vai de Rødby a Fehmarn.

Pelo norte

Da Noruega, passamos pela Finlândia, Suécia, Dinamarca e, depois, pela Alemanha.

O time

Rainer Zietlow e seus colegas Marius Biela e Matthias Prillwitz são recordistas em dirigir por longas distâncias combinadas com trechos aéreos. Em sua primeira turnê, em 2011, eles foram da Terra do Fogo ao Alasca em 11 dias. A segunda viagem, em 2012, foi de Melbourne a São Petersburgo em 17 dias. No final de setembro de 2014, eles partiram para a sua aventura mais longa até agora - dirigindo um Volkswagen Touareg do norte da Noruega a Cabo das Agulhas, a ponta mais ao sul da África do Sul. Nesta reportagem, mostramos alguns dos pontos altos do diário de viagens de Zietlow.

Dias 2 & 3

Engarrafamento em Praga Nos arredores da cidade, somos recebidos por funcionários tchecos da Volkswagen, que nos guiam através do trânsito de Praga, congestionado na hora do rush.

 

Olá, Bratislava! Esta é a cidade natal do Touareg, onde a equipe da Volkswagen também nos acompanha por alguns quilômetros. Cerca de 18 horas depois, chegamos à fronteira com a Turquia e vamos em direção ao Estreito de Bósforo.

Através da Europa Oriental

De Berlim, passamos pela República Tcheca, Hungria, Sérvia e Bulgária, até chegarmos à fronteira turca.

Dia 4

Nas nuvens Um avião de carga Antonov 74 An-74 está nos esperando em um aeroporto no sudeste da Turquia. Ele tem bastante espaço para nós e o Touareg. Estamos voando para a África, o que nos permite tirar uma breve soneca. Nas 70 horas anteriores, dirigimos sem parar.

Olá, África! Duas horas depois, chegamos ao Egito, em Mersa Matruh. Um búfalo aparece na estrada para nos cumprimentar.

Da Turquia para o Egito

Do Bósforo, o estreito que divide a Europa e a Ásia, passamos pela Turquia. No sudeste de Ankara, embarcamos em um avião para a África.

Dia 5

Deserto Está ficando mais quente. Depois de passar por Cairo e alcançar os templos de Luxor, no sul, o nosso computador de bordo indica 43 graus Celsius. Logo chegamos ao Sudão. Durante horas, não vemos nada além de areia. Somos recompensados ​​ao amanhecer pelo nascer do sol mais bonito da viagem.

 

Caos É preciso algum tempo para se acostumar com o trânsito na Etiópia. Os carros seguem lado a lado em uma estrada larga de quatro pistas. Enquanto alguns dirigem em zigue-zague, outros ficam apenas buzinando e ninguém sabe se eles vão ultrapassar à direita ou à esquerda.

 

Cruzando a África Orientala

Dirigindo pelo Egito e pelo Sudão em direção a Adis Abeba, a capital da Etiópia.

Dia 6 

Etiópia A paisagem está ficando mais verde. A Etiópia tem planaltos férteis e muitas pequenas aldeias. Devemos estar preparados e dirigir com mais cuidado, porque há muito
movimento nas estradas.

Através da Africa Oriental

Do Sudão, nós fomos para Addis Ababa na Etiópia.

O acidente

O acidente Estradas acidentadas e alagadas em Iringa. Apesar de não termos culpa, nos envolvemos em um acidente. Ninguém se feriu, mas depois de seis dias dirigindo, somos forçados a fazer uma pausa. Só há mecânicos da Volkswagen em Dar es Salaam, a cerca de 500 quilômetros de distância. Há esperança: o motor não deu perda total, porém temos de esperar vários dias pelas peças de reposição que vêm de Viena e Bratislava.

Pausa involuntária na Tanzânia

Nos parques nacionais do Quênia e da Tanzânia; reparos em Dar es Salaam.

Dia 19

Lançamento Nós mal podemos acreditar que o motor está funcionando novamente. Os mecânicos de Dar es Salaam conseguiram recuperá-lo, pelo menos provisoriamente, com as peças de reposição. Esperamos que ele possa lidar com os 4 mil quilômetros finais até a África do Sul. Em terrenos acidentados, nós só podemos dirigir em velocidade muito baixa.

Da África Oriental ao sul

De Dar es Salaam, continuamos pela Zâmbia e Zimbábue.

Dias 20 & 21

Reta final Depois de 13 dias ansiosos na oficina, o Touareg agora roda suavemente pelas estradas da Zâmbia e do Zimbábue. A sorte está do nosso lado: as estradas são surpreendentemente boas, e o tempo também é favorável. Fizemos uma pose de vitória (foto, abaixo, à direita) 150 metros antes de chegar ao nosso destino: Cabo das Agulhas, ponta mais ao sul do continente africano. Conseguimos.

O Sul!

Tanzânia, Zâmbia, Zimbábue. Nosso destino: Cabo das Agulhas, a ponta mais ao sul da África.

Conclusão

Sim, nós conseguimos. Chegamos ao nosso destino no sábado, às 20h42. Cabo das Agulhas. Quem apertou o botão para parar a contagem do tempo do nosso carro foi a policial Julia Anne de Brain. Apesar do acidente e dos vários dias de conserto em Dar es Salaam, completamos a viagem de 17 mil quilômetros em 21 dias, 16 horas e 36 minutos. Bem abaixo do recorde mundial de 28 dias fixado em 1984. E o mais incrível: sem o acidente, teríamos chegado ao tempo estupendo de oito dias e dez horas. Um enorme agradecimento aos funcionários da Volkswagen na Europa e na África – não teríamos feito isso sem vocês. Estamos ansiosos para a próxima tentativa de um recorde mundial com o Touareg!