Volkswagen Magazine

Inovação

Desempenho campeão chega ao Golf.

A tecnologia do aclamado motor TSI, que alia performance e economia, traz ao carro o estado da arte da engenharia automotiva.

Texto Verônica Lima
Fotos Luciano Munhoz
Ilustração Rodrigo Damati
O motor TSI reúne o que há de mais moderno em conceitos de construção, eletrônica, qualidade de materiais e processos de produção.

A busca por eficiência energética e um mundo mais limpo está cada vez mais presente na vida das pessoas. E a Volkswagen oferece a tecnologia que evolui a resposta a essa questão: os motores TSI, que combinam desempenho e alta eficiência energética, proporcionando excelente dirigibilidade e economia de combustível.


Presente em diversos modelos da marca alemã no Brasil – up!, Golf, Golf Variant, Jetta, Tiguan, Novo Passat, CC e Fusca –, os motores 1.0, 1.4 ou 2.0 com tecnologia TSI podem ser considerados o estado da arte da engenharia automotiva, pois reúnem em uma única unidade de força o que há de mais moderno tanto em conceitos de construção quanto em eletrônica, em qualidade de materiais e processos de produção. Não por acaso já conquistaram mais de dez títulos em diferentes categorias do International Engine of the Year, a mais respeitada premiação de propulsores automotivos do mundo. No Brasil, o TSI foi aclamado “Motor do Ano 2016” em premiação promovida pela Revista AutoEsporte, por um júri de jornalistas especializados e engenheiros, sendo considerado o melhor entre os motores de até 2.000 cm³ de cilindrada.

Quem responde pelo desempenho com alta eficiência é uma complexa combinação de detalhes e cuidados no desenvolvimento específico de cada componente. “Não se trata, portanto, de uma simples adaptação de um turbo em um motor aspirado que já exista. A tecnologia TSI vai muito além disso”, explica Roger Guilherme, gerente de Desenvolvimento de Produto (Powertrain) da Volkswagen do Brasil, ressaltando que robustez, durabilidade e confiabilidade são outras características dessa família de motores. “Os TSI passam pelos mesmos critérios de aprovação de qualquer outro motor da Volkswagen”, completa ele.

DESEMPENHO SUPERIOR

A Volkswagen não se contentou apenas em criar esse motor campeão. Ele está em constante evolução. Tanto que agora acaba de ser incluído no Golf Comfortline. Tem três cilindros, mostrando a vanguarda da tendência da indústria automobilística mundial.


O equipamento é da mesma família EA211, presente no up! TSI com bloco de alumínio e injeção direta de combustível, o que reduz o peso e melhora a combustão, garantindo eficiência energética.  Mas ele ganhou algumas modificações que fazem toda a diferença: o Golf tem 21% mais torque e 19% mais potência em relação ao próprio up!, compacto de entrada da Volkswagen no Brasil.

Isso significa que o Golf 1.0 TSI entrega até 20,4 kgf.m de torque entre 2.000 e 3.500 rpm, e potência máxima de 125 cavalos a 5.500 rpm, isso tanto com etanol quanto com gasolina, característica notável em veículos flexíveis. Em 9,7 segundos o carro acelera de 0 a 100 km/h, e atinge a velocidade máxima de 194 km/h.


Para obter esses valores de desempenho, que chegam a ser superiores a propulsores 2.0 aspirados, a engenharia fez um trabalho primoroso – muito além de simplesmente elevar a pressão máxima de admissão de 0,9 (do up! TSI) para 1,3 bar, o que aumentou o fluxo de ar para os cilindros em mais de 20% e garantiu o fantástico valor nominal de torque, o mais alto entre todos os motores desta cilindrada já ofertados no Brasil.

Para começar, o turbo que aumenta a quantidade de ar no cilindro tornando a combustão mais intensa, é novo e utiliza materiais ainda mais resistentes. Peças e sistemas como junta do cabeçote ficaram mais robustas para aguentar a pressão. As válvulas de exaustão, que liberam os gases após a queima, são tratadas com sódio, dissipando melhor o calor e evitando uma pré-ignição. Já as velas são de irídio, mais resistente a altas temperaturas.


No entanto, um dos segredos de tamanha eficiência está na dimensão dos radiadores para refrigerar esse processo ‘vulcânico’ de combustão. O principal deles é 68% maior que o do up! TSI, e o auxiliar, nada menos que 170% maior.

Poucas semanas após seu lançamento, a versão Comfortline 1.0 TSI já tem sido sucesso de avaliação pela imprensa especializada. Até aqui, o expoente da família, o cultuado GTI e seu motor 2.0 TSI de 220 cavalos de potência, era uma grande referência em prazer ao dirigir. A nova cria veio reforçar essa imagem do Golf.

A palavra eficiência norteia todo o processo produtivo da fábrica de motores da Volkswagen na cidade de São Carlos, no interior de São Paulo, a qual possui aproximadamente 800 colaboradores – divididos em dois turnos. Na linha de montagem, 78 pessoas trabalham com a ajuda de 27 máquinas automáticas.


Em outubro, a fábrica de São Carlos chegou à marca de 10 milhões de motores produzidos. E quem cravou esse número foi justamente o mais novo protagonista da linha, o 1.0 TSI do novo Golf Comfortline.

»Não se trata de uma simples adaptação de um turbo em um motor aspirado.
A tecnologia TSI vai muito além. «

Roger Guilherme, Gerente de Desenvolvimento de Produto (Powertrain) da Volkswagen do Brasil

» A fábrica tem reforçado sua importância dentre as unidades de motores do Grupo e tem contribuído para o sucesso da consolidação da Volkswagen no mercado brasileiro. «

David Powels, Presidente e CEO da Volkswagen do Brasil e América do Sul

MECÅNICA BÁSICA

Turbo: Equipamento que aproveita os gases do escape para comprimir o ar antes que ele entre nos cilindros. Assim, a combustão gera maior pressão e, consequentemente, maior torque e potência.

Motor Aspirado: Aspira o ar para a câmara de combustão pelo movimento do pistão. Não utiliza artifícios como o turbo para essa tarefa. Nestes motores, a cilindrada é o limitante da quantidade de ar admitida e, portanto, da performance.

Pistão ou Êmbolo: Peça que se move dentro dos cilindros para cima e para baixo, cuja função-chave é transformar a pressão da combustão em força.

Cilindro: Local onde se desloca o pistão e ocorre a combustão.

Cilindrada: Volume máximo dentro de um cilindro. Nos automóveis, é medido em cm³. Um motor 1.8 tem 1.800 cm³, por exemplo.

Bloco: Peça de ferro ou de alumínio fundido que aloja os cilindros e recebe outras peças do motor.

Torque: Força gerada pelo motor para colocar o carro em movimento ou subir uma ladeira, por exemplo. É o produto da força transferida pelos pistões pela distância das manivelas até o centro do virabrequim. RPM (Rotações por Minuto): Número de voltas ou giros que o virabrequim dá em 60 segundos.

Virabrequim: Eixo de manivelas que recebe a força transferida pelos pistões e a entrega em forma rotativa (torque) para a transmissão do veículo (e daí para as rodas).

Cavalo ou Cavalo Vapor: Unidade que mede a potência. Um cv equivale a 735,5 Watts.

Potência: Quanto maior, mais rápido o carro pode acelerar e maior será a velocidade máxima atingida. É o produto do torque pela rotação

Giro: Sinônimo para RPM.

Os TSI, que contam com mais recursos tecnológicos e peças diferenciadas, têm um processo mais complexo de produção. “Esse motor requer atenção especialmente na montagem do sistema de admissão, onde são instalados o intercooler no coletor, a turbina e os bicos de injeção de combustível, que são montados diretamente na câmara de combustão”, explica Douglas Zanetti, Supervisor de Montagem de Motores EA211.

 

Os colaboradores passam por constantes atualizações. “Todos são capacitados no centro de treinamento para desenvolver diversas habilidades manuais, trabalho padronizado, entre outros. Etapas complexas do processo produtivo são feitas no Profiraum, simuladas com os empregados usando um motor, de forma a evitar potenciais falhas e garantir a qualidade do produto”, completa o executivo.

O TSI conta com mais recursos tecnológicos e peças diferenciadas, por isso tem um processo mais complexo de produção.

Em outubro, a fábrica de São Carlos chegou à marca de 10 milhões de motores produzidos.

20 ANOS DE PIONEIRISMO

A fábrica de São Carlos inaugurou a produção do motor 1.0 bicombustível do Brasil, em 2003. Dali também saíram os primeiros 1.0 de três cilindros, em 2012, e 1.0 TSI, em 2015. Esses são alguns dos marcos que colocam a unidade localizada no interior paulista, que completou 20 anos no último dia 12 de outubro, em posição de destaque entre as fabricantes de motores do Grupo Volkswagen.

Quando o assunto é sustentabilidade, essa planta também é líder. Ela é a pioneira do grupo fora da Europa a obter a certificação ambiental ISO 14001 (1997). Foi também a primeira do Brasil a superar, com quase dois anos de antecedência, a meta “Think Blue.Factory”, programa global da própria empresa com foco na preservação do meio ambiente. O objetivo é, com ações em todas as unidades, reduzir em 25% o consumo de água e energia, além da produção de resíduos, até 2018, tendo 2010 como base. Em São Carlos, até o primeiro semestre de 2016, a queda no uso de recursos naturais por motor produzido foi de mais de 37%
nos últimos seis anos.

“São Carlos tem recebido importantes aportes nos últimos anos. Desde 2012, os investimentos totalizarão aproximadamente R$ 900 milhões até 2018, proporcionando uma intensa evolução em termos de qualidade e tecnologia na unidade. Com isso, a fábrica tem reforçado sua importância dentre as unidades de motores do Grupo Volkswagen e tem contribuído para o sucesso da consolidação da Volkswagen no mercado brasileiro”, diz David Powels, Presidente e CEO da Volkswagen do Brasil e América do Sul.