Volkswagen Magazine

História

Cinco semanas memoráveis.

Como um curso de formação de mecânicos apoiado pela Volkswagen vem mudando a vida de jovens israelenses – muitos provenientes de famílias em situação crítica – e oferecendo a eles um novo futuro.

Texto Jochen Förster
Fotos Jens Bösenberg

» Meu grande sonho? Ir a Frankfurt mais uma vez. «

Olga, 23 anos

» É incrível como os estudantes gostam de consertar carros e deixá-los novos. «

Kobi Avital, vice-presidente da Israel Garage Association (IGA)

Para iniciantes: Uma aula sobre engrenagens na aldeia da juventude Hadassah-Neurim.

Olga teve uma infância difícil. Aos 12 anos, ela saiu da Rússia com a mãe e mudou-se para Israel – foram expulsas pelo pai dela, sem documentos nem dinheiro. Olga odiava o pai e odiava Israel. Ela era forte e, na escola, batia nos garotos mais velhos. Quando tinha 14 anos, foi para a aldeia da juventude Hadassah-Neurim, 40 quilômetros ao norte de Tel Aviv. Lá, também causou problemas no começo: faltava à escola regularmente, fugia, cometia atos de vandalismo. Foi uma juventude realmente perdida – até o momento em que ela descobriu seu amor por carros rápidos. Por Michael Schumacher, em especial. E por Kobi Avital, um amigo com ares de pai.


É um dia quente perto de Haifa, o maior porto de Israel. Olga, 23, e Avital, 44, conversam em frente à oficina dela sobre a incrível fascinação que as pessoas têm por máquinas, um sentimento que pode mudar vidas. Para Olga, o desafio de consertar um carro para que ele corra novamente e a diversão de trocar pneus e alinhar rodas finalmente deram um rumo à sua vida. Aos 16 anos, ela começou o treinamento como mecânica de motores em Hadassah-Neurim. Avital era o seu professor. “De repente, Olga começou a gostar de vir às aulas”, ele se lembra. Dois anos depois, ela se inscreveu para o “master class” e foi aceita. No verão de 2010, embarcou em Tel Aviv rumo a Frankfurt, na Alemanha – foi a primeira viagem depois que ela e a mãe saíram da Rússia. E esse foi, segundo ela, o melhor momento de sua vida.

» Na Alemanha, eu gostaria de aprender como consertar uma embreagem dupla. «

Din, 17 anos, candidato ao master class

O professor Kobi Avital fala para os jovens sobre os benefícios do curso intensivo em Frankfurt.
Um professor explica para Din como funciona um motor.

“Master class” é como Avital e seus colegas chamam o curso de treinamento de dois anos para aprendizes israelenses, realizado pela Volkswagen em cooperação com o Colégio Estatal Técnico da Indústria Automotiva e com a Youth Aliyah (organização judaica de apoio a crianças e jovens), na Alemanha. O ponto alto é o workshop intensivo de cinco semanas em Frankfurt durante as férias de verão. O objetivo é proporcionar aos alunos experiências práticas de acordo com os padrões alemães, além de facilitar um desenvolvimento conjunto e um currículo bilateral. Depois de graduados, os jovens mecânicos também recebem um certificado baseado no German Master Craftsmen’s Diploma (Diploma Alemão de Mestre Artesão), que transforma esses novos talentos em profissionais altamente cobiçados em Israel.
Isso é ainda mais positivo porque a maioria dos aproximadamente 400 jovens israelenses que estão treinando para ser mecânicos nas aldeias da juventude vem de famílias em situações precárias – assim como Olga. As aldeias da juventude fazem parte de uma grande tradição em Israel. As primeiras foram desenvolvidas nos anos 1930, durante o Mandato Britânico na Palestina, para dar um novo lar às crianças que fugiam do nazismo. Hoje, existem aproximadamente 60 dessas aldeias, com mais de 18 mil estudantes em todo o país.
Muitos dos mecânicos em treinamento vivem e estudam em aldeias da juventude. Grande parte é formada por imigrantes com raízes judaicas que, mediante condições difíceis, foram parar na Terra Santa. Uma boa proporção pertence ao programa de ajuda à juventude, NAALE. “Em média, 40% dos estudantes vêm da Etiópia, e um terço de países da ex-União Soviética”, diz Avital. Além disso, há muitos árabes, drusos, beduínos e imigrantes judeus de vários continentes. As aldeias da juventude são como um pequeno espelho que reflete as cores da comunidade mundial que vive em Israel hoje.

Caminho para Frankfurt

Durante cinco semanas em todos os verões, a Volkswagen convida de dez a 12 jovens de Israel para um workshop intensivo para potenciais mecânicos de automóveis em Frankfurt, na Alemanha. No curso prático, os jovens testam e aprofundam o conhecimento usando equipamentos técnicos de última geração. O curso intensivo é gratuito para os estudantes. O projeto é realizado em cooperação com o Colégio Estatal Técnico da Indústria Automotiva, em Hesse, e com a Youth Aliyah (Juventude Judaica) na Alemanha.

Avital, ele mesmo ex-aluno de uma aldeia da juventude, é o orientador do projeto. Por mais de 15 anos, trabalhou duro para tornar-se um mecânico moderno em seu país de origem, primeiro como professor no exército, depois em Hadassah-Neurim, e por dois anos como vice-presidente da organização profissional Israel Garage Association (IGA). Em 2004, fez contato com a Volkswagen. Os olhos de Avital brilham quando ele fala sobre os estudantes no workshop de Frankfurt. “É incrível como os alunos gostam de consertar os carros e deixá-los como novos, usando equipamentos com os quais não estamos familiarizados em Israel. Eles abrem mão de suas férias de verão para fazer esse curso. Muitas vezes resmungam um pouco, mas quando estão aqui, esquecem de todo o resto. De repente, se dão conta de que essa é a oportunidade de suas vidas.”

» Os professores alemães explicaram tudo bem detalhadamente até que todos entendessem. «

Shan, 18 anos

Hora do lazer: alunos da escola Kadoorie jogam futebol após a aula.

A escola Kadoorie, o maior centro de treinamento, fica perto do Mar da Galileia. Aproximadamente 70 estudantes completam o treinamento de dois anos de mecânica de automóveis após terminarem o ensino médio. Radad, de 18 anos, é um beduíno que vive e estuda em Israel. Seu pai trabalha como motorista de ônibus em Haifa. De vez em quando, Radad vai para casa aos fins de semana para visitar os pais e seus sete irmãos. Ele nunca saiu do país. Seu grande objetivo é qualificar-se para o workshop em Frankfurt. Por quê? “Os alemães constroem os melhores carros, as melhores estradas e têm a melhor tecnologia”, diz. Radad sonha em um dia sentar-se em uma poltrona de avião e em poder trabalhar com reparo moderno de veículos com a ajuda de softwares de diagnóstico. É isso. Ele trocaria tranquilamente suas férias de verão por esse objetivo. “Eu posso tirar férias depois.”
A maior parte dos jovens tem a mesma visão que Radad. Poucos sabem exatamente o que esperar, mas as histórias que ouviram daqueles que voltaram para casa depois do curso intensivo em Frankfurt são muito motivadoras.
Shan, de 19 anos, é circassiano e participou do curso intensivo no verão passado. “É um mundo completamente diferente”, afirma. “Os professores alemães explicaram tudo bem detalhadamente até que todos nós entendêssemos. E os instrumentos parecem aqueles de cinema, um verdadeiro paraíso para mecânicos de automóveis.”

Há também aqueles que já têm os seus certificados no bolso. Hassan, libanês de 23 anos, por exemplo, hoje é especialista em diagnósticos de uma oficina em Acre (na região da Galileia). “Ganhei mais experiência no curso intensivo do que em toda a minha vida”, ele conta. “Agora sei exatamente como ler um diagrama de fiação”, diz. Um Golf GTI de cinco anos é o orgulho e a alegria de Hassan, e um emprego como mecânico de automóveis na Volkswagen é o seu maior sonho. No verão, ele viaja a Frankfurt de novo, dessa vez por seis meses. O jovem será o primeiro estudante israelense do “master” a participar do curso regular alemão. Olga, a criança difícil do passado, hoje trabalha em sua oficina em Haifa, e se especializou em Golf. “O curso foi o primeiro passo”, ela diz. Seu maior sonho soa modesto: “Gostaria de ir a Frankfurt mais uma vez”.

» Ganhei mais experiência no curso intensivo do que em toda a minha vida. «

Hassan, 23 anos

O pátio do colégio Max Fein, em Tel Aviv, onde funciona um centro de treinamento automotivo.